Twitter
RSS

Capítulo 14 - O Cristianismo em Transformação

A Reforma Religiosa foi um movimento espiritual motivado pelas condições econômicas, sociais, politicas e intelectuais que caracterizava o século XVI. 
Esse movimento trouxe consequencias para praticamente todas essas áreas, por exemplo, no campo social a reforma contribuiu para o desenvolvimento de guerras camponesas; economicamente proporcionou um considerável crescimento comercial; e politicamente o protestantismo afetou toda a conjuntura internacional européia, causando as guerras de religião.
A Reforma Católica 

A contra-reforma 

Era necessário combater a propagação do protestantismo e reafirmar os dogmas católicos, negados pelos protestantes. Por isso, tornou-se urgente a reformulação moral, política e econômica da igreja católica. Foi criado o chamado “soldados de Cristo” eram jesuítas destinados reconstituir o clero e diminuir o crescimento do protestantismo. 

Para o sucesso da Contra-Reforma, muito contribuíram a ação de alguns papas reformistas como Paulo III, o apoio dado à Igreja por algumas ordens religiosas como a Companhia de Jesus e o Tribunal do Santo Ofício. 

O papa Paulo III foi o organizador do Concílio de Trento, onde foi reafirmada a doutrina católica. 



Concílio de Trento

Dentre as principais medidas, podemos destacar: a proibição da venda de indulgências, a organização do Índex dos Livros Proibidos, reaver a inquisição, converter nativos de novas terras através da catequese, a idolatria dos santos e da virgem. Dessas medidas a Inquisição se destaca, por ser uma forma repressora extremamente severa, na qual foram julgados muitos protestantes. 

Devido ao desenvolvimento naval, a contra-reforma foi mais expressiva na Espanha e Portugal, pois a Igreja enviou jesuítas para a América do sul e central, conseqüentemente os protestantes migraram para o norte da América.

Comments (0)

Postar um comentário